Foram dezesseis janeiros com ele e hoje são quase dois sem. Você pode pensar que há um certo tipo de consolo pela desigualdade dos números, mas não há.
Uma das coisas que meu pai não me ensinou sobre a vida é que, um dia, eu teria que segui-la sem ele. Aprendi a criar contas no banco, a trocar lâmpadas e a me orientar com um mapa da cidade. Mas a viver sem ele, isso ainda não aprendi...
E, sem querer soar pessimista, eu duvido que um dia eu aprenda. Mesmo que se passem vários e vários anos - ou janeiros, como ele diria - é difícil acreditar que o vazio que ele deixou um dia vá ser preenchido com o que quer que seja.
Ninguém nunca entendeu como poderia existir uma conexão assim tão forte entre um pai e uma filha. E eu não estou aqui com as respostas. Só consigo dizer que nós tínhamos um laço forte. Ele sempre foi o amor da minha vida e eu sempre fui a sua garotinha.
Hoje o mundo parece mais cinzento, as coisas possuem menos sentido e tudo parece um tanto quanto mais assustador. Eu tento brigar com a vida por, de tantos outros, ter me tirado logo ele; mas ela tampouco me dá ouvidos. Tento me lembrar do som da sua voz, do calor da sua pele e da sensação de me refugiar em seus braços durante uma tempestade. E isso me acalma, de certa forma. Me ajuda a ser grata por tê-lo possuído, quanto mais de uma forma assim tão intensa como foi.
Ele teve apenas 48 janeiros, mas foram suficientes para deixar a sua marca. Uma marca linda na vida de todos os que o conheceram e, especialmente, na da sua menininha. Foi um bom amigo para alguns, um bom parente para outros. Já para mim, foi um pai. E tudo o que eu sou hoje reflete o ser humano maravilhoso que me guiou por essas estradas difíceis que a vida prepara pra gente.
Um laço como esse que tínhamos nem mesmo a morte consegue destruir.
E de uma coisa eu sei:
Um pedaço de mim morreu com ele,
mas um pedaço dele vive em mim.

13 Comentários

  1. Que lindo, seu blog tem um clima muito especial, a gente sente. E você escreve muito bem! *-*

    ResponderExcluir
  2. Você escreve muito bem! Parabéns, de verdade, você tem futuro...
    (Ps: Eu também tenho um blog.)

    ResponderExcluir
  3. Comecei a ler o seu blog recentemente e tô gostando muito! Suas palavras transmitem o amor de Deus e a beleza de Maria! :))

    ResponderExcluir
  4. Olá queria lhe dar os parabéns por seus desenhos e talento Deus te abençoe achei realmente incrível como vc expressa a grandeza de Deus em uma simplicidade q encanta. Que Nossa Senhora te proteja sempre e continue com sua missão de evangelizar Nosso Senhor usa das coisas mais simples para nos tocar.

    ResponderExcluir
  5. Que linda a homenagem que você fez e parabéns você escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  6. Pedir meu pai, e tudo o que você disse nunca fez tão sentido em minha vida. Pedir meu pai um mês depois de ter perdido minha avó materna, E dia 12 faz um mês e não há um dia que eu não chore, por sentir tanta falta.

    ResponderExcluir
  7. Ahhhh!!! Como eu amo o seu blog, Nath!! <3 Me faz sentir mais sede de Deus e querer ser mais ainda dele... E o seu testemunho? É lindo! LINDOO!!! Deus é maravilhoso mesmo <3 Eu também gosto muito de escrever e recentemente fiz um blog para compartilhar minha paixão. Fique a vontade pra vim comentar viu, será muito bem vinda!!! thayananascimento.wordpress.com ainda está passando por algumas mudanças, mas aos poucos vou ajeitando... Sua linda, estou aqui sempre de olho nas postagens, viu??? hhahah Você escreve muito bem, que dom maravilhoso! <3 Deus te abençõe e Maria também! <3 Beijinhos ;*

    ResponderExcluir