Quando falamos sobre relacionamentos, existem dezenas de aspectos que nem sempre abordamos. Desde a infância, sabemos que estamos como que "predestinados" a conhecer alguém, nos apaixonarmos e, eventualmente, passarmos a vida ao lado desse alguém. Assim, tomamos como exemplo os filmes que vemos na TV, o relacionamento de amigos e familiares próximos - principalmente o dos nossos pais, os casais dos contos de fadas que lemos e por aí vai... Alguns recebem bons exemplos para levar para a vida, enquanto outros, no entanto, enchem-se de medos, expectativas irreais e bloqueios afetivos.
Por muito tempo considerei a vocação religiosa mesmo sentindo-me chamada ao matrimônio e à família, simplesmente por não entender que a vocação matrimonial forma, sim, santos. Sendo usada por garotos desde nova e não tendo nenhuma boa referência de relacionamento por perto, acreditei firmemente que as pessoas que se casam dificilmente chegam ao céu, visto que a castidade é tão difícil e a vida a dois tão conturbada. Entretanto, ao atingir maior maturidade espiritual, enxerguei o quão distorcida era a minha visão e como a vida conseguiu me enganar por tanto tempo. Explicarei.
A primeira coisa que me foi revelada é que, morando em um convento ou sendo um padre amado, é mais fácil receber reconhecimento das pessoas próximas e indicação ao processo de canonização do que os esposos, considerados "pessoas comuns". No entanto, isso não significa que estes também não chegam à vida eterna; somente não são tão conhecidos.
Aos poucos, também, me aprofundei na vida de pais como São Luís e Santa Zélia Martin, pais de Santa Teresinha, e Enrico e Aurélia Galgani, pais de Santa Gema Galgani. Com eles aprendi a enxergar o valor daquele que está em casa, cuidando dos afazeres e das pequenas vidas confiadas por Deus, e transmitindo aos pequenos o bem mais precioso que é a fé. Entendi o quão minha história hoje seria diferente se pudesse ter tido ao meu lado pais santos como esses - não deixando de louvar a Deus pelos maravilhosos pais que tive. Ao comentar com meu namorado este pensamento, ele me disse: "Você pode ainda ser a Santa Zélia Martin de seus filhos", e entendi que tudo o que Deus me permitiu experienciar é graça, e tudo me leva à esposa e mãe que um dia serei.
Ao ler sobre as meninas Teresinha e Gema, notei o quão agraciadas ambas foram por terem nascido na família em que nasceram. Há uma razão para que as meninas sejam santas desde a infância: a criação. Desde novinhas, receberam dos pais uma fé e amor por Jesus muito grandes, capazes de consumi-las e sempre as guardarem no caminho da santidade. Mães e pais amorosos e testemunhas de Cristo que fizeram, também, com que suas filhas fossem santas. Podes imaginar como seriam essas meninas se houvessem nascido em famílias desestruturadas e consumidas pelo pecado?
Neste dia, quero lembrar-te que a tua primeira vocação é a santidade. E, se fores viver a vocação matrimonial, que tenha em mente que a vocação bem vivida pode gerar esposos e filhos santos, ao mesmo passo que se nos deixarmos levar por sentimentos carnais e não conseguirmos colocar o bom Deus em primeiro lugar, em vez da santidade, atrairemos destruição. Me perguntam muito qual o segredo para manter a castidade no namoro, e digo sempre que amem a Jesus. Que amem a Jesus até entenderem o quão vazia é a vida sem ele. Que amem a Jesus até que o coração doa por machucá-lo. E que, também, amem a pessoa que foi confiada a você, a ponto de não querer usar de seu corpo, mas cuidar de sua alma para que ambos possam chegar juntos ao céu.
Tomem cuidado com aqueles que são bons, mas não amam a Deus antes de te amarem - tomem cuidado ao confundir carência com amor, dependência de Deus com dependência do outro. Ninguém preencherá as lacunas que se encontram vazias em seu coração senão Ele. Não existe a pessoa perfeita e sem defeitos que os contos de fadas pregam, mas existem as pessoas que confiam seu coração ao Senhor e que lutarão, também, para te levar ao céu. Não acreditem que há jeito de mudar alguém que não quer ser mudado, não aceitem amor imaturo e não sejam um ponto onde as pessoas param para curar suas próprias feridas. Entregue sua vida ao Senhor e tenha certeza de que ele trará aquele que dividirá a vida com você. Quem ficará para os momentos bons e ruins, para o terço em família e a missa aos domingos. Não aceite menos do que o ele sonhou para você. Permita-se ser amado, mas que o bom Deus seja sempre amado primeiro.

6 Comentários

  1. Lindo texto, e muito edificante ! Amo quando fala de Santa Gema e Teresinha, amo as...

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! fique imaginando que se tivesse lido esse texto antes eu não teria me machucado tanto. Obrigada s2

    ResponderExcluir
  3. "Me perguntam muito qual o segredo para manter a castidade no namoro, e digo sempre que amem a Jesus. Que amem a Jesus até entenderem o quão vazia é a vida sem ele. Que amem a Jesus até que o coração doa por machucá-lo. E que, também, amem a pessoa que foi confiada a você, a ponto de não querer usar de seu corpo, mas cuidar de sua alma para que ambos possam chegar juntos ao céu."

    Uau. ♥

    ResponderExcluir
  4. Eu simplesmente AMEI!❤️❤️❤️

    ResponderExcluir