Cristo, Dono de minh'alma, Rei de minha vida, Senhor do meu destino: sei que não são poucas as vezes em que a Ti peço ajuda. Sei que me falta fidelidade e compromisso. Sei que, em mim, só há sobras de fraqueza. Sei da minha indignidade e, apesar de tudo isso, sei (ainda que humana e limitadamente) do Teu amor incondicional por mim. É por isso que, apesar do meu eu ser como é, eu Te peço socorro mais uma vez. 
Sinto demais. Sinto tudo demais. Os amores e as dores e as alegrias e os sofrimentos dos sofredores. Sinto demais, sinto em exagero, minha carne sangra ao ser frustrada, Cristo, e eu não suporto a frustração de ser contrariada. Julgam-me exagerada quando rio e quando choro, e sinto, sinto demais!, que ninguém me entende, tampouco me aceita inteiramente - ninguém, além de Ti.
Ontem, dormi aos prantos, desesperada, por um problema banal. Todos os meus problemas seriam banais, Amado, se eu bem aceitasse a minha cruz e os esforços que ela exige. Mas, eles me doem e me castigam e me queimam viva. Ontem, mais uma vez, toda a minha humanidade foi frustrada e chagada. Meus planos foram desconsiderados. Meus quereres, meus desejos - profundos, imundos - foram empurrados ao chão; quebraram-se todos. E fiquei sem vontades. Sem vontades ao ponto de, enfim, clamar angustiadamente pela Tua ajuda. Lembra? Sei que lembra. Eu orei assim:
"Jesus, não sei mais o que fazer, nem o que pensar, muito menos sei o que sentir. Não sei o caminho certo, não sei até onde devo ceder, nem sei até onde devo lutar. Não sei, Jesus, não sei em que buraco me encontro, não sei como faço para sair dele. Não sei se estou ouvindo Tua determinação ou se estou Te impondo a minha ânsia. Não sei por que estou sofrendo, não sei de onde vem meu choro. E, por nada saber, é que eu venho Te pedir: saiba por mim, Jesus, por favor. Saiba, sinta por mim, de maneira que eu seja aquilo que Te agrada, que eu faça aquilo que Te felicita, ao invés de agir apenas por minha própria conta e por meu próprio risco. Estou entregando os pontos, pois não sei mais como seguir sem auxílio. Não sei decidir. Vem, Jesus, e ajuda-me a decidir em Ti. Por Ti. Contigo". 
Eu orei assim. Chorando, com medo e com raiva e com aperto. Dormi um sono inquieto, acordando tantas vezes durante a noite que até agora estou sentindo dores pelo corpo. 
Estou sentindo, remoendo e mastigando cada detalhe dessa luta contra mim mesma, pois tudo isso é sobre o meu ego e o meu espírito corrompido querendo suplantar as Tuas ordens. Tudo isso é sobre, mais uma vez, eu insistir em atuar sozinha, em resolver sozinha, quando sei que, sozinha, eu não conseguiria sequer acordar pela manhã. Tudo isso é sobre eu querer ceder aos ímpeto da carne e do mundo, ao invés de desde o começo me refugiar na Tua confiança e no Teu regaço.   
Senhor, socorre-me: sinto demais e o mundo não suporta meus sentimentos, o mundo não acolhe minha essência, e não sei a quem recorrer se não for a Ti. Mandam-me enxugar as lágrimas, mandam-me não me incomodar com batalhas que já estão perdidas, mandam-me ser dura, fria, consistente e firme. Não consigo.
Cristo, não consigo ser nada além dessa argila mole, dissolvida e despreparada. Não consigo erguer-me vaso. Não consigo ter essa determinação. Finjo que consigo para que as pessoas não me rejeitem, mas, dentro de mim, o Senhor sabe: 
argila mole. 
"Doce criança, tão pequena... Sabes de tão pouco!", Te ouço dizer em meu ouvido.
Cristo, concede-me Teu colo para que minhas lágrimas sejam amparadas por Ti, o Único incapaz de derramá-las ao chão. O Único que as dignifica mesmo quando eu as considero impuras. 
Cristo, quero ser eu mesma, mas quero sê-lo ao Teu lado. Em Teu nome. Se dormir aos prantos, que seja por ceder de mim a Ti, e não por abdicar de Ti em nome do meu querer. Cristo, que eu saiba recorrer das minhas decisões quanto estas forem de encontro às Tuas. Ajuda-me? Ajuda-me, que eu cansei de ser frustrada, e cansei de remar contra as Tuas ondas.
Leva-me, Cristo, pelo Teu mar.
Mesmo que eu afunde, 
e que minha carne padeça sem fôlego,
é minh'alma quem respirará em Ti.
E, assim, sobreviverei às torrentes.

2 Comentários

  1. Senti minha descrição em todas as palavras! Um texto que me descreveu, mas que também me fortaleceu. Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. E mais uma vez os sentimentos transcritos em palavras. Magnífico.

    ResponderExcluir