Já fazem 4 anos que comecei minha caminhada na Igreja Católica, mas eu nunca senti tamanha vontade de ofertar a minha vida igual à que eu sinto nos tempos atuais.
É estranho notar a diferença de uma leiga que ia às missas dominicais, servia nos retiros com amor, que intercedia pelas pessoas, para quem sou hoje. Ainda vou às missas de domingo, ainda sirvo com amor, ainda intercedo pelas pessoas, mas nada disso basta. Eu quero mais, eu quero ir além. Eu quero ver crianças, jovens, casais sentirem essa alegria que não passa. Quero conhecer aqueles que desacreditavam em Deus, mas que hoje são completamente apaixonados por Ele. Notar o brilho nos olhos dos desamparados após conhecer a Esperança.
Cristo se deu na totalidade para nós, com toda a sua dor, toda sua alegria, todo seu suor, todo seu choro, tudo o que havia n'Ele foi por mim, e o mínimo que posso fazer é me dar também em totalidade para Ele. É dar meus dias, meu ano, minhas misérias, minha juventude. É abdicar do domingo de descanso tornando-o um domingo de trabalho. É ir para os eventos mesmo com dor de cabeça, é deixar minha família em uma festa, para poder visitar aquele irmão doente. É também deixar uma convivência com os amigos da Igreja para levar o Cristo para os meus familiares. É acordar às 5h da manhã para rezar, porque em outro momento eu não conseguiria. E isso é o mínimo que posso fazer. Não me pertenço mais, a minha vida não é mais minha, não penso só em mim mesma, mas Ele me invadiu. Toda essa oferta é só uma gota no oceano perto da oferta que Cristo fez por mim, mas o mar não seria o mesmo, sem esses sacrifícios diários (Sta Teresa de Calcutá).
Já dizia Santa Teresinha, "Deus não precisa das nossas obras, ele somente quer o nosso amor". Uma pessoa que ama tudo a tudo se dispõe e de tudo quer fazer, ao perceber como a fumaça do incenso sobe aos céus, ao perceber como o incenso se consome pelo fogo e assim se dá para aquilo. Eu também desejo me consumir. Ele me tomou para Ele, Ele me roubou de mim. Ele pousou sobre mim o eu olhar, e o que fazer a não ser amá-Lo, dando-me por completo? Consumindo-me neste fogo, e deixando que tudo seja elevado para Ele. Não por mérito meu, mas porque Ele é a razão da minha oferta.
Comece esse novo ano também se ofertando a Ele, deixe o comodismo da rotina e ame-O com a sua vida. Como um incenso que sobe ao céu, sejam também as nossas vidas elevadas Àquele que Se deu para a nós!

Deixe um comentário