No ultimo mês li um livro chamado “irmão de Assis” do Inacio Larrañaga, publicado pela editora Paulinas. Mergulhei de cabeça na obra e afirmo que é daquelas leituras que você passa dias ainda com a historia na cabeça.
O livro relata tudo sobre a vida de Francisco de Assis. Foi um jovem rebelde de família rica, o pai um prestigioso comerciante de tecidos. Vivia entre bebidas e festas noturnas com os demais amigos abastados, e por incentivo do pai, sonhava em ser um herói cavaleiro de batalha. Lutou em uma guerra, foi preso, solto, voltou à guerra e antes de chegar ao destino, foi arrebatado por um sonho Divino, sua primeira experiência de Deus. E foi a partir deste momento que sua vida começou a ser transformada.
Começou se libertando de tudo que julgava fugaz. Experimentou a verdadeira liberdade, despojou de todas as posses, até mesmo de suas próprias roupas em frente a várias pessoas. Disse perante todos que era filho somente de Deus. Defendia que para encontrar Deus era preciso se libertar de toda propriedade, pois propriedades requerem armas para serem defendidas. 
Uma vez, depois de ouvir a voz de Jesus, que pedia reconstruir sua igreja, ele entendeu que deveria reconstruir as ruínas da igreja de São Damião, mas com o tempo, o entendimento se estendeu e a “igreja” foi percebida como o Cristianismo em um todo. Francisco foi de ruína em ruína para reformar igrejas, passou de mendicante para pregador.
Se auto intitulava cavaleiro de Cristo, embaixador da Rainha Pobreza e seus Príncipes eram os mendigos e os leprosos. Passava dias e noites em profundo regozijo com Deus. Autoconsciente, buscou eliminar de sua personalidade tudo o que lhe afasta de Deus. Foi chamado de louco, atiraram-lhe pedras, mas com o tempo perceberam sua grandiosidade e passou a ser visto como um exemplo e não mais como motivo de chacota. 
De uma riqueza surpreendente, o livro ainda relata sobre a presença de Santa Clara na vida de Francisco.
Recomendo esse livro para toso aqueles que desejam conhecer um pouco melhor a vida do santo. Aproveite, e deixe que as palavras entrem em seu coração e gere a mudança de um coração ousado, assim como o de Francisco! 
Por enquanto, leia aqui o ultimo diálogo de São Francisco com Deus, relatado no livro:
"Meu Senhor, eu me arrastei, de joelhos, até os teus pés, sentarei à tua sombra e cobrirei, com as mãos, a minha nudez. Tomarás as minhas mãos nas tuas, levantará, abraçará e dirás: 'És filho do meu Amor e sombra da minha Substância'. Beijará minha testa e colocaras uma grinalda no pescoço. Colocarás um anel de ouro no meu anular e uma roupa de príncipe sobre minha nudez. Me dirá: 'Meu filho, olha para os meus olhos'. Olharei, e lá longe, acima das últimas ladeiras do teu coração, verei escrito meu nome. E eu te direi: 'Deixai-me entrar nesse mar'. E tu me dirás: ' Entra'. Alcançarei mar adentro, e ali me
Perderei, perderei a cabeça e sonharei. 'Não ficai com vergonha de ter-me por filho?", Perguntarei. E me responderás: ' Não viste o teu nome escrito no recanto mais florido?' Encostaras tua face na minha e dirás: 'pelos espaços siderais não há outro, és o único'. 'Meu Deus , é verdade que sonhastes comigo antes que o orvalho aparecesse na madrugada? É verdade que seus pés caminharam por séculos e por mundos atrás de minha sombra fugitiva? Diz-me, é verdade que quando me encontrastes, o céu se desmanchou em canções? É verdade que quando fecho os olhos e me entrego nos braços do sono, tu ficas ao meu lado, velando o meu descanso? Que tenho para te dar?', perguntarei. 'Dar, compete mim, tu só tens que receber', responderás. 'Por que não falas?' Perguntarei. 'O silêncio é a linguagem do amor', responderás. Está noite chegarei à tua casa. Me fará deitar em um leito de flores. Encostarás as janelas para que a lua não me dê nos olhos. Direi a ti: 'Venho de longe, sou um menino cansado e ferido, e estou com sono'. Com mãos de mãe, tocarás os meus olhos e dirás: 'Dorme'. E eu me perderei no mar..."

Deixe um comentário