Talvez já seja meio óbvio que gosto de Os Arrais. A espiritualidade sincera que os irmãos Tiago e André Arrais trazem por meio da música é tão simples e clara que se torna rica por fazer com que muitos se reconheçam e encontrem respostas (confirmações até) de suas orações. E eu me incluo nesse grupo de pessoas que se identificam nas letras/orações da dupla.
O mais recente álbum dos dois não desaponta no quesito ''me encontrei''. Fazia um tempinho que eu já me sentia um pouco órfã de ouvir algo novo vindo deles, mas valeu a pena a espera. ''Rastros e Trilhas'' é a transformação deste meus anos de fé, encontro, desencontro, esperança (e até a ausência dela) com Cristo. A sequência ordinária do álbum se encaixa perfeitamente com muitas sequências da nossa própria vida, não somente a cristã, mas o todo em si.
O álbum se inicia com ''Deserto'' e particularmente isso só me fez recordar dos momentos de aridez que vivi. A aridez espiritual de querer estar com o Pai e não poder. O vazio, a solidão de nada poder lhe preencher e andar quilômetros em busca de água, esperança, de um novo e só encontrar a areia, a secura e o silêncio. Mas é pelo silêncio que somos chamados pelo Pai, como a samaritana. Enfim, depois de muito caminhar, encontramos naquela hora vazia um poço. Aquele momento, aquele lugar, onde ninguém deveria estar, Ele está. ''Ele é'' é o Senhor indo ao nosso encontro, nos tirando do deserto dos nossos corações. Enxergando além das nossas limitações, nos mostrando que somos mais do que as brechas criadas pelas marretadas que a vida deu. O Senhor oferece aquilo que Ele é. Ele sacia a sede de água e de amor porque Ele é água viva. A mesma água que nos tira do deserto não permite que voltemos ao estado original de areais. Ele é aquele que transforma deserto em jardim. Jardim aonde a paz habita, paz jamais vivida que me faz questionar de onde vem a paz?
Com Ele encontramos oásis, em meio ao deserto.
Como já dito anteriormente me encontrei nos desertos, mas me surpreendi em descobrir o que Ele é e naquilo que Ele pode transformar. Eu sou o deserto que Deus tem o constante trabalho de transformar em jardim. Trabalho exaustivo, mas onde vou enxergando Seu amor. O mais bonito é terminar de ouvir este álbum e ter a confirmação da minha vocação.
Recomendo como ouvinte, mas principalmente pela experiência proporcionada. Longe de ser fã. Próxima de se encontrar como irmã.
''O Senhor te guiará constantemente, Ele te alimentará no árido deserto, renovará teu vigor. Serás como um jardim bem irrigado, como uma fonte de águas inesgotáveis.'' Is 58,11

Um Comentário

  1. Eles são ótimos e as músicas nos ajudam a rezar muito! Vale muito a pena!

    ResponderExcluir