Esses dias eu relembrei uma conversa que tive com um amigo meu (eu tenho essa mania de lembrar de conversar aleatórias do nada), na qual ele falava que tinha parado de beber (ele não bebia, o álcool bebia ele) e a principal razão disso era o início do seu namoro. QUÊ?! Nossa, bem ''Zezinho vai com a Maria, né?''. Nem tanto.
Fiquei me questionando até que ponto as pessoas mudam quando começam um relacionamento com alguém, até que ponto isso é ruim e até que ponto estamos dispostos. Eu percebo que uma das maiores dificuldades do ser humano hoje em dia é em relação às mudanças, desde coisas simples às mais complexas: nós temos dificuldades para mudar nossos hábitos alimentares, nossos estilos de vida, nossas rotas, nossos pensamentos e, principalmente, nosso ''eu''.
Eu não digo que você deva se adequar a todos, ao querer comum, mas compreender que ser você, viver a autenticidade exige maturidade. Maturidade principalmente de medir, de ouvir e saber discernir quem são as pessoas que te amam e até onde o querer delas não se resume somente em um ''querer'', mas em um ''esforço meu para ser melhor para você e você ser melhor para si''.
Voltando ao meu amigo: A questão não era ele beber. Era ele não compreender que aquele excesso fazia mal a ele. Isso poderia acarretar problemas no relacionamento dele com a namorada? Talvez sim, mas principalmente para ele. E quando digo que o amor nos torna melhores não é somente ao abandono de bebidas etc.
O amor me faz melhor quando eu sei que, mesmo estando certa, aquilo que fiz feriu quem eu amo e então, por querer estar com aquela pessoa, eu busco consertar não de todos os modos, mas do modo perfeito. Todos os modos podem feri-la mais.
O amor me faz melhor quando eu entendo que ali não é uma coisa que vai passar na minha vida e eu na dela. Tudo que eu faça deixará marcas, então preciso ter responsabilidade.
O amor me faz melhor porque supera os meus limites. Onde eu acho que minha paciência só vai até um certo ponto. O meu demonstrar não pode se expor. O amor supera tudo isso. O amor me faz melhor porque eu me torno grato por tudo isso que o outro me ajuda a ser.
E a pergunta final: Até que ponto estamos dispostos? Até o ponto decisivo de amar. Não é fácil ser melhor, mas vale a pena.
Deixo a poesia do querido Nando Reis, nos ajudando a compreender mais essa aventura que é o amor.
Pelo amor e com o Amor. Paz e bem!
''Cada um de nós
Tem o seu próprio jeito de ser
Mas tudo que foi feito
Só fizemos juntos
Porque você ouviu a minha
E eu, a sua voz
Tudo que dissemos
Sempre teve efeito mas sobra
Um ou outro aspecto
E o inverso do direito
É a busca do desejo sem culpa...
...Cada um de nós tem um enorme respeito e após
Todo esse tempo
Que estivemos juntos
Você lutou por mim, e eu por você
Tudo que enfrentamos
Sempre demos um jeito tão nosso
É isso que eu adoro''

Deixe um comentário