"Por isso, os homens confiam a própria vida a um pouco de madeira e atravessam em segurança as ondas num navio" sb 14,5-6
No escuro, o mar agita. É humanamente compreensível que o desespero tome parte do meu coração. Eu sei que ali Ele está e sua promessa não é vã. Eu sei da sua providência, mas o meu medo estraga. O vento, o barulho da forte onda e a constante impressão de que o barco não irá permanecer vacilam as minhas certezas de que um amigo virá com o socorro.
Minha esperança busca refúgio e eu grito por ti. A minha canção é o meu clamor. E eu o enxergo, o medo se vai e ele me pergunta onde foi parar a minha terra firme tão avistada. O mar é o monte de Abraão, é o perder no final do tempo, do ano. O frágil pedaço de madeira são as condições que temos para viver e suportar as tempestades.
O pranto tomou a noite. Mas a aurora chega junto a visibilidade de enxergar a firme rocha. Os clamores são louvores. E mesmo com a chuva caindo torrencialmente eu faço de Ti o providente abrigo.
*Javé-Yiré significa: "o Senhor proverá". É o monte que no qual Abraão imolaria Isaac, mas pela fidelidade Deus provê um cordeiro a ser sacrificado no lugar do menino.

Deixe um comentário