Dia desses indo pra faculdade encontrei um colega que também estuda na mesma, mas em outro curso e de outro campus. Conversávamos sobre como as pessoas do campus que no qual estudo têm uma tendência ao extremismo, em querer ser sempre opostos a tudo e que buscam tanto respeito por seus ideais,  mas não respeitam os dos outros. Concluí: Nós não queremos respeitar, mas queremos ser respeitados. Nós queremos ter a razão, mesmo a perdendo muitas vezes.
Vivenciamos tempos de redes sociais abarrotadas de ideais sendo jogados na nossa cara por meio de briguinhas em que cada lado quer demonstrar estar certo, mas não busca ouvir a razão do outro, acreditar naquilo. Nós queremos lançar nossa verdade, queremos segurar as pessoas e forçá-las a engolir o que nós acreditamos. Não falo aqui de parar de defender nossas convicções ou de deixar de manifestá-las, mas de não torná-las elementos de disseminação de violência.
Sim, existirá momentos em que nem todos irão nos aceitar, e seremos julgados por acreditar em algo, mas o que eu vejo é que nós queremos ser julgados, nós estamos buscando ódio.
Não somos ingênuos. Nós sabemos até onde o modo do nosso agir e falar fará o outro agredir ou conversar harmonicamente. O que nós precisamos é exercitar nosso lado de saber conversar com o que é oposto à nossa ideia sem criar inimizade, sem imediatamente criar o código de acesso ao ''ERROR404: A pessoa não concordou com você. Elimine-a''. Nós, que tanto lemos e nos dedicamos a compreender mais sobre o que defendemos, precisamos não vivenciar a venenosa ironia quando o coleguinha discorda do nosso ponto de vista, precisamos ser tão inteligentes nas nossas convicções quanto na simplicidade de uma conversa saudável.
Por fim, lembre dos apóstolos: Eles eram judeus, iniciaram o cristianismo e sofreram. Sofreram não por sair na rua gritando: ''QUEM NÃO FOR CRISTÃO DE HOJE EM DIANTE É UM CRISTOFÓBICO/CONDENADO AO INFERNO/ NÃO É MEU AMIGO''. São Paulo, São Pedro e os outros diziam as verdades, mas com algo que nos é ausente e muito: com caridade.
Quem separa muito não tem tempo de unificar. Quem usa muito seu tempo para jogar suas razões, perde em evangelizar.
Você deve estar se perguntando: ''O que o Tiago Iorc tem com isso?!''. A música ''Alexandria'' fala poeticamente e verdadeiramente disso: É muita gente, inutilizando seu tempo, falando muito e não dizendo nada. Sejamos a diferença.
''Gente demais
Com tempo demais
Falando demais
Alto demais
Vamos lá atrás de um pouco de paz''
Busquemos ser paz. Busquemos ser o bem.

Um Comentário

  1. Gostei! Um texto com um "tom" suave, mas com um direcionamento firme de ideias.

    ResponderExcluir