Fui a um retiro de crisma neste fim de semana e foi uma experiência de outro mundo. A começar pela minha extrema necessidade de estar mais próximo de Deus depois de tanto tempo, passando pela emoção e alegria de estar servindo num retiro e levando as pessoas em direção ao Pai, e terminando nos lindos momentos e em todas as vezes que Ele me tocou profundamente.
Estava batendo pernas pelo centro da cidade com meu pai e comecei a lembrar de tudo que passei nesse fim de semana e resolvi que iria compartilhar um dos momentos que me tocou mais profundamente: o momento em que estive no céu!
Sábado à tarde, como todo retiro de crisma da minha paróquia, tivemos uma pregação e um momento sobre família e, como todo retiro de crisma da minha paróquia, eu chorei oceanos durante a pregação toda. Teve um teatro que ilustrava uma situação família que, particularmente, não tinha nada a ver com a minha realidade, mas eu sabia que tinha a ver com a realidade de muitos crismandos.
Só sei que passei o momento todo chorando porque eu sentia saudade de casa, dos meus pais, e tenho, como todo mundo tem, um grande medo de perder qualquer membro da minha família, especialmente meu pai que já é mais velho. Tudo que eu conseguia pedir para Deus naquele momento era ter a enorme graça de encontrar com ele no céu e todos aqueles que amo.
Bom, essa parte do retiro passou, eu participei de um teatro, tivemos um momento com uma cruz enorme no salão e depois liberamos os crismandos para jantar e ir para os quartos. Eu sabia que teríamos um último momento naquela noite, mas não estava a par do que iria acontecer. Vi que vários servos estavam arrumando o salão com colchões, colocando sofás e preparando túnicas, mas tive que ir para a capela porque era meu horário de intercessão. Quando voltei, me deram uma túnica branca para vestir e pediram que eu ficasse do lado de fora do salão para ajudar a trazer cada crismando para dentro. Um por um.
Então eu e mais alguns servos com túnica começamos a passar no meio deles perguntando onde estava Jesus, uma serva vestida de Maria Madalena também fazia o mesmo, até que “Jesus” abriu a porta lateral do salão e perguntou “Por que procuras entre os mortos aquele que vive?”. A partir daí fomos levando os crismandos um por um até a porta de trás do salão onde eles fizeram uma fila.
Na porta, havia dois servos vestidos de branco recepcionando-os e eu não prestei muita atenção no que eles diziam porque estava mais concentrado em não cortar meus pés, já que estava descalço e pisando em várias pedrinhas. Só quando fui para o fim da fila e foi minha vez de entrar que percebi a razão de tudo aquilo.
Olhei bem pro rosto sorridente do meu amigo que acolhia as pessoas e ele disse:
- Juninho! Que bom ver você aqui. Estava esperando por você. Bem vindo ao céu! Sabia que iria conseguir!

Ele me cumprimentou e dei meus primeiros passos para dentro do salão, só para ser surpreendido e encontrar uma mulher sorridente vestida de Maria que me abraçou e disse:
- Filho! Finalmente você está aqui!

Naquele momento eu estava mais concentrado em orar pelos crismandos e me preparar para o momento de efusão do Espírito que aconteceria logo depois, mas quando cheguei em casa fiquei pensativo sobre essas cenas. Imagine como deve ser, depois de tantas lutas, tantas provações, tanta espera e confiança no Senhor, chegar aos céus e ver, ali na sua frente, todas as pessoas queridas que esperavam ansiosamente pela sua chegada. Poder abraçar seus amigos, sua família, ali, na real presença de Deus e passar a viver esse eterno amor. Mais ainda: quão grande deve ser a emoção de encontrar nosso Anjo da Guarda – provavelmente para ele nos dar umas broncas de tanta burrada que fizemos em vida –, os nossos Santos Pais Espirituais, e nossa amada Mãezinha?
Isso tudo só me mostrou que, por mais singelos e simples que sejam, estes momentos de céu que temos aqui na terra são tão preciosos a ponto de transformar nosso coração para que Deus nos guie em direção ao céu de verdade. Só por pensar na possibilidade de, um dia, reunir minha família e dar uma caminhada ao lado de Jesus, todos os impulsos do mundo se tornam desprezíveis, toda provação se mostra generosa e o amor de Deus se faz o suficiente para que eu abra meu coração e deixe que Ele faça sua obra em mim e na minha casa a fim de realizar esse sonho que mora no coração dEle.

Que Maria continue intercedendo por nós e nos mantendo na palma das suas carinhosas mãos até que, enfim, nos encontremos com o seu filho.

Deixe um comentário