Lembro-me de alguns momentos escolares da minha vida em que eu não estudava tanto e acabava fazendo as famosas e corruptas ''colas''. No final eu tirava uma excelente nota, ótimos comentários dos professores e o orgulho dos meus pais estampado no rosto. Aquilo me envergonhava, porque eu não merecia tantos elogios por algo que eu não fiz de fato. Por fim, eu acabava contando a verdade para os meus pais (por fim eu digo alguns anos depois, tipo, já na faculdade ).
Com Deus é mais ou menos assim: Ele nos ama, nos dá esse incrível presente que é o Seu amor, mesmo em meio às atrocidades que fazemos, Ele permanece entregando seu maravilhoso presente.
Ultimamente tenho vivido experiências maravilhosas, recebido tantas graças, que refletindo (e comparando, pra variar) percebo que não tenho sido merecedora. Olho tempos atrás e vejo que, naquela época, talvez eu merecesse mais tudo isso do que agora. Porque talvez naquele tempo eu achava ser mais obediente, mais fiel, mais sensível à Sua voz, mais mais mais... ah, os achismos!
Nessa inútil comparação também conclui que estava fazendo um papel incabível a mim: juíza. Quem sou eu na cadeira do julgamento? Quem sou eu para dizer o que mereço ou não? A verdade é que eu nunca merecerei 0,0000001% do que Deus fizer por mim. Cabe a Ele, somente a Ele, decidir o que eu mereço.
A lógica de Deus em nos agraciar não é por merecimento. Totalmente o contrário. Deus não é um interesseiro, Ele não faz nada querendo um trocadinho nosso. Não. Ele só faz por amor. É difícil compreender isso humanamente pois estamos tão acostumados a um amor de troca que receber algo de graça se torna duvidoso, o famoso: "Quando a esmola é grande o santo desconfia". Entendo agora que muitas vezes vivi minha fé em busca desse retorno. "Deus, eu rezo essa hora aqui e tu me agracia desse jeito aqui". Quão egoísta sou! E o quanto ainda sou leiga no quesito amor de Deus. Mal sabia eu que não importa se eu rezar 1000 Ave Marias ou só dizer: "Oi, Deus. Sou eu", Ele vai permanecer me amando. E é preciso esse amor constrangedor nos presentear no nosso momento mais miserável para que a gente entenda a simples mensagem: ''Filho, tudo que faço a ti é por amor. Eu sou amor. Eu só sei amar!''
O que eu desejo hoje é que possamos ter uma consciência de chegar ao Pai e falar: ''Senhor, Teu amor me constrange porque eu não mereço. Eu não faço por merecer esse amor, mas sei que Tu não vais aceitar com que eu renegue-O, então resta-me amar-Te. Eu sei que é insuficiente, é bem miserável, mas que seja esta miséria que Tu amas e recebe.''
Deus não é egoísta. Ele é tão cheio de amor que decidiu criar-nos para que também experimentemos este amor. Paremos de hierarquizar e definir a percentagem do amar. Apenas demos amor!

Deixe um comentário