Meu Deus, como sou pequeno diante de Ti. Sei que minha pequenez não se limita apenas a aspectos de grandeza, mas ela se mostra na minha incapacidade de segurar Tua mão quando realmente necessito, de olhar para os teus olhos e encontrar forças para levantar.
Ás vezes parece mais justo ficar no chão. Muitas vezes, sem nem mesmo perceber, eu viro as costas pra Ti, desvio meu olhar, me solto do seu abraço e meu pecado te envergonha. No fim das contas, não sou melhor do que qualquer um daqueles soldados romanos brutos e orgulhosos que te maltrataram antes de te levar à cruz. Isso dói em Você e dói em mim.
Fico imaginando a paciência que o Senhor tem conosco, principalmente quando insistimos no mesmo erro diversas vezes. Se para nós humanos já é doído ver um filho se distanciar, para Ti, que nos ama incondicionalmente, deve ser mil vezes pior.
O que mais dói no meu coração é ver como o Senhor consegue nos abraçar e nos acolher mesmo quando estamos cheios de comida de porcos, com as vestes rasgadas e a alma desfigurada pelo pecado. É quase estarrecedor pensar que quando tínhamos tudo para enxergar um Deus punitivo, vingativo e cheio de mágoas, vemos justamente o contrário: Um ser amoroso, cuidadoso e acolhedor que insiste em falar quando não queremos escutar, em direcionar quando não queremos caminhar, em perdoar quando queremos vingança, em amar quando queremos odiar.
Isso dói, não porque eu acho que deveria ser de outra forma, mas porque, na minha humanidade, é doloroso que eu não compreenda algo tão imenso e simplesmente não consiga corresponder incessantemente a este amor. Nestas horas eu sinto de fato teu fogo que purifica. É como se, ao olhar pro meu interior deteriorado e desfigurado, teu amor ardesse nestas feridas e no meu pecado, e a dor me mostrasse o quão urgente é a necessidade de diminuir a distância entre nós.
Lembro de uma música de comunhão que eu costumava cantar na missa das crianças da minha paróquia, e que se tornou minha oração eucarística, que diz exatamente sobre esse sentimento de pequenez diante deste amor imenso que o Senhor tem por nós.
"Sei que tão pequeno sou, mas, com simplicidade, meu tudo Te dou. E a mim, basta o Teu amor, amor que tens por mim, Senhor. Um dia, quando então eu crescer, mil coisas vou fazer, mas não vou esquecer que aqui, diante deste altar, minha vida te dei."
Tarde te amei, meu Deus. Tarde para perceber que minha rotina tenta a todo tempo quebrar esta proximidade entre nós. Por mais que minha humanidade não permita, muitas vezes, que eu seja todo Teu, sei que Você ainda estará segurando minha mão por onde quer que eu ande, e que, quando eu cair, o Senhor me carregará nos ombros e me ensinará a andar novamente.
É duro saber que ainda devo trilhar meu caminho neste mundo antes de me unir a Ti, mas fico feliz em ver o quão grande foi o seu amor a ponto de nos deixar tantas heranças celestes. Que o Senhor permita que, a cada dia, eu possa olhar para o céu e enxergar que, antes que eu Te amasse, Você me amou, e que este amor continua perpétuo por toda a eternidade.
"Minha vida é um brevíssimo segundo. Minha vida é um só dia que me escapa e que me foge. Tu bem sabes, ó meu Deus, para amar-te neste mundo, não tenho nada mais que hoje!" Santa Teresinha do Menino Jesus

Deixe um comentário