‘’Quando há ferrugem, no meu coração de lata!
É quando a fé ruge, e o meu coração dilata!’’
Me perdoem os críticos de música e os que não simpatizam com a banda/trupe do O Teatro Mágico, mas o vocalista e compositor, Fernando Anitelli foi, no mínimo, muito feliz quando escreveu os versos citados no início deste texto.

‘’Oxidou,
A ponte, a fonte,
A chance de fundir o que rachou
E difundir pras gerações
A demanda do mundo é amar!’’

Que verdade! Uma realidade imensa da nossa humanidade: Nossos corações tornaram-se pedras! Estamos permitindo que as maresias dos grandes mares da vida oxidem nosso coração, que a ferrugem nos corroa e impeça de continuarmos a engrenar.

Se permitirmos que a oxidação ocorra, damos passe livre que o amor, a demanda do mundo, como o poeta diz, seja dado como operação cancelada.

Somos frutos de Deus. Deus amou-nos tanto que deu frutos, Ele nos fez! E por sermos criados pelo Amor, temos na nossa genética esse traço que é amar e ser amado. Entretanto nosso coração tão ferido e magoado, muitas vezes distorce o amor. O coração do homem atual é empedrado, enferrujado, por não conhecer o próprio Amor. Somos a geração que acredita conhecer o amor, mas na prova está distante Dele.

O Amor dilata nosso coração de lata! Como diria o querido São Paulo: ‘’O amor de Cristo nos constrange!’’, pois não há amor comparável a este. Os amores criados por novelas, livros e por nós mesmos, as idealizações de perfeição de amor nada são comparáveis a um amor de entrega, de misericórdia. Quanto mais lutamos, resistimos, mais somos amados, pois maior é o desejo de Deus por nós.

Essa resistência cria também uma situação de colocarmos nossa esperança em tantas coisas, menos Naquele que se deu para que houvesse esperança. Vendo as Olimpíadas, e toda a festa de abertura – que é inegável ter sido bonita e de apelo patriótico- percebi o quanto colocamos a melhoria do mundo, seja no desrespeito, na violência e na sustentabilidade, em um evento mundial. Não é querer ser pessimista, mas infelizmente (ou felizmente) uma festa não fará o mundo melhorar. Uma vez, em meio ao ápice da crise política que o Brasil passava, um sábio amigo me foi bem franco: ‘’Apego à político A ou B não fará nosso país mudar. Acreditar que fulano ou sicrano é nossa esperança de mundo melhor é deixar a esperança em Cristo no escanteio’’.

Quanto se vê que o apego, a falsa esperança, gera discórdia entre nós. Amizades, relações, sendo desfeitas por razão de uma esperança que ilude. Não é o elemento x que nos fará viver dias melhores, o mundo tem sede de amor. A demanda que precisamos é o Amor. Com ‘’A’’ maiúsculo.  

Não nego que é necessária uma preocupação e ação para um mundo melhor, mas nada aqui será perfeito. Nosso coração só encontrará a paz e perfeição unido ao coração Dele.

Que a gente não perca então a fé.
Que o nosso coração não se oxide, mas seja consolidado na verdade que liberta.
Que o Leão possa rugir a fé no nosso coração enferrujado.
Afinal, é necessário que ‘’Conservemo-nos firmemente apegados à nossa esperança, porque é fiel Aquele cuja promessa aguardamos’’ Hb 10, 23.

Deus abençoe. Até mais! 

Um Comentário

  1. Arrasou, menina! A gente, com o tempo, acaba deixando que tantas coisas externas tire o brilho que o Senhor pôs em nós. Texto supimpa. Beijos!

    ResponderExcluir