É muito comum escondermos de nós mesmos quem nós devemos ser. Por muitas vezes nos contentamos com o que somos. Com os nossos defeitos, nossas misérias... Encaramos todas essas coisas como se fossem naturais de nós, como se fizessem parte do nosso ser. Enxergamos como características nossas, mesmo que sejam ruins. Teimamos que somos assim e pronto. Aceitamos nossas misérias, muitas vezes sem esperança de nos tornarmos algo melhor.
Chega uma hora que nos damos conta de quem é o nosso Pai. Começamos a ver que as nossas características não se encaixam... Como pode um Deus, sendo assim tão perfeito, ser Pai de um ser tão miserável? Como pode Jesus, sendo soberano, andar ao lado de um ser tão falho? Como pode o Espírito Santo, tão sublime, escolher viver em um ser tão desprezível?
Percebemos então que há algo errado. As coisas estão fora de ordem. De repente nos damos conta do quão ingrato estamos sendo, aceitando a nossa miséria e deixando por isso mesmo. Impossível conhecer Deus e não querer mudar. Impossível conhecer Jesus e não querer ser alguém melhor. Impossível conhecer o Espírito Santo, sentir a Sua presença e não querer exalar o Seu cheiro.
Quando verdadeiramente nos colocamos diante de Deus, entregamos todas as nossas limitações, tudo aquilo que achamos difícil de mudar, passamos a descobrir algo diferente em nós. Começamos a ver que, para ser melhor, talvez precisamos nascer de novo, mas que não é impossível. Começamos a perceber algo novo, exatamente aquilo que estava faltando para sermos nós mesmos.
Jesus tem poder para nos transformar, transformar nossos defeitos em qualidades. E tudo o que precisamos fazer é deixá-lo agir em nós, por nós e através de nós. Talvez andamos buscando maneiras complicadas demais de fazer isso. Nos esquecemos que Jesus age, principalmente, na simplicidade. No silêncio do nosso interior. Nós só precisamos nos entregar. Não precisamos nos preocupar em dizer a Ele frases bonitas, mas somente em ir ao Seu encontro, com toda sinceridade. Esquecer, por um momento do dia, todas as preocupações que nos rodeiam, fechar os olhos, abrir o coração e sentir a sua presença... Somente isso. Do resto, pode deixar que Ele cuida (e com muito carinho).

2 Comentários

  1. Isso aí, Dessa. E quanto mais próximos de Deus, mais nos conhecemos verdadeiramente. Como diria Teresa:''Sou aquilo que Deus pensa de mim''. Ótimo texto, mocinha.

    ResponderExcluir