Se você já leu ou assistiu O Pequeno Príncipe, sabe do que o título se trata. Ou talvez não. Mas, de qualquer forma, irei explicar.

Vamos começar dizendo que baobás são árvores grandes e de raízes profundas, que, se não forem cortadas quando pequenas, tomam todo o planeta no futuro. Diante disso, você deve se perguntar: "então por que não cortá-las quando pequenas?". Temo que o drama não se resolva assim. O que acontece é que, quando pequenos, os baobás assemelham-se muito às rosas, e, convenhamos: cortar uma rosa seria um grande erro.
Por medo dos baobás, nós podamos as rosas. Perdemos a chance de tê-las por perto com medo de que elas se tornem algo além do que esperamos. Se vemos uma muda, logo nos apressamos em julgar qual será seu futuro. "Essa tem cara de rosa", dizemos. "Essa com certeza é um baobá!".
Não sabemos qual a essência das plantas. Uma dessas que juraria de pé junto ser uma rosa, logo se tornou um baobá. E esses dias pensei ter visto um baobá, mas não é que se tornou uma rosa?
E, ao ver minhas rosas, um amigo me perguntaria:
"Ora, como fez para possuí-las? Não tem medo dos baobás?"
E eu respondi:
"Tenho medo de baobás, mas de rosas... dessas eu não tenho".
E então ele compreendeu.
Compreendeu que para saber diferenciar as plantas, devemos esperar que elas cresçam. Não o suficiente para nos destruir, caso seja de sua natureza, mas o suficiente para podermos decifrá-las. E, consequentemente, não deixar que o medo de baobás nos prive de possuir as rosas.

14 Comentários

  1. Achei lindo e entendi e compreendi perfeitamente o que quis passar com o texto. Devemos sim deixar fluir a medida que vai crescendo, e só então cortar ou não o mal pela raiz. Se isso é errado? Acho que poucos podem nos responder isso, mas penso que se for algo bom, por qual motivo cortá-las? De qualquer forma, ficou incrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Kelly! Muitas vezes, por traumas ou medos, deixamos de aproveitar pessoas ou circunstâncias porque achamos já saber qual o fim de tudo isso. Mas podemos estar errados! De qualquer forma, muito obrigado! <3

      Excluir
  2. Caraaaa.. pequeno principe devia ser considerado a biblia! (na minha opiniao) hahahahaa O livro e' muuuuito bom! E tem tanto baoba por aiiiii ne? HAHAHAHA Beijinhos

    http://www.verdadeescrita.com/a-sociedade-conectada/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha é muito bom mesmo. E pior que tem, viu hahaha beijo!!

      Excluir
  3. Nath que saudade de ler você moça.
    Ás vezes te vejo como o pequeno príncipe tão nova, mas tão repleta de sabedoria.
    Seu texto me fez lembrar a Parábola do Joio e do Trigo.
    E concordo contigo não podemos deixar o medo nos privar de conhecer a rosas.
    Beijos, muito bom te ler.♥

    ResponderExcluir
  4. "Compreendeu que para saber diferenciar as plantas, devemos esperar que elas cresçam. Não o suficiente para nos destruir, caso seja de sua natureza, mas o suficiente para podermos decifrá-las."
    Sinto uma calma tão grande lendo os seus textos, Nathalia <3

    Lovecats | allieprovier.blogpsot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu estou lendo o livro, mas ainda não terminei, esqueci na casa da minha mãe. HAHAHA Agora só no fim de semana. :) Um beijão e até mais.

    www.queridaga.com

    ResponderExcluir
  6. Puxa que coisa linda..
    Me fez refletir muito com relação aos julgamentos do dia a dia, assim como as rosas, algumas pessoas perdem de viver mais por julgamentos de cabeças pequenas que acham que são boabás ><
    Amei mesmo ♥
    beijos
    Ganurb

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sua interpretação, Bruna. É isso aí <3 obrigada!

      Excluir
  7. Que metáfora incrível Nath! O Pequeno Príncipe é um livro e tanto, apesar de ser redirecionado ao público infantil, creio que o autor mais quis pegar um público adulto, a história serve tanto para um quanto para outro e suas lições de ambas maneiras são levadas para a vida.
    Seu texto ficou lindo, realmente não podemos julgar algo que ainda não começou a se formar, quando se descobre o que é bom ou ruim aí se pode tomar uma decisão do que fazer em relação ao fato. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Gabi! Também acho que Exupéry pensava mais na criança que existiu nos adultos do que nas crianças que ainda são crianças hahaha um beijo <3

      Excluir