Oi, gente!
Esse post vai ser ligeiramente diferente dos que estão acostumados a ver aqui.
Vocês já viram o filme A Origem? Caso não tenham visto, eu aconselho que vejam para já! É um filme muito interessante e inteligente, daqueles que temos que ver pelo menos uma vez na vida.
A Origem chegou ao Brasil em 2010, estrelado por Leonardo DiCaprio, Ellen Page e Joseph Gordon-Levitt. A história fala sobre Dom Cobb (Leonardo DiCaprio) e seu organizador Arthur (Joseph Gordon-Levitt), que estão em uma missão onde usam uma técnica de espionagem através de sonhos. Eles invadem a mente de pessoas poderosas enquanto essas dormem, e absorvem informações que não conseguiriam na vida real.
Juntamente com sua falecida esposa, Mal (Marion Cotillard), Cobb construiu um mundo perfeito para os dois dentro dos sonhos, onde viveram por muito tempo. Quando retornaram, Mal não acreditou que estavam no mundo real e se suicidou, a fim de voltar ao lugar que havia construído com Cobb.
Em certa parte do filme, Cobb revela a uma estudante que contratou para ajudá-los, Ariadne (Ellen Page), a história de Mal. Cobb vive preso em seus sonhos já que lá é a única forma de encontrar sua falecida esposa.
O motivo dessa "resenha" é: vocês já tiveram um sonho onde, ao acordarem, sentiram uma vontade desesperadora de voltar a ele? Isso sempre acontece comigo e, ao acordar nessa madrugada após um desses sonhos, lembrei-me desse filme, que por sinal é muito bom. Se vocês já assistiram e/ou entendem esse sentimento, fiquem a vontade para me contar!
♥ ♥ ♥
- Ele queria ser velado e enterrado - disse meu pai.
- Você conseguiu falar com ele?
- Não - responde, aflito. - Mas eu sei de meus próprios desejos.
- Eu entendo.
Estávamos sentados juntos no sofá, como sempre. Desde pequena, as lembranças que tenho com meu pai somos nós grudados, envoltos em abraços e beijos. E ali estávamos nós, enquanto papai falava de sua própria morte, como se fosse outra pessoa.
E, então, eu me recordo do que aconteceu. Lembro-me dele na UTI, entubado e enfaixado, vítima de uma crueldade sem tamanho. A imagem de seu corpo chegando ao velório me aterroriza novamente, e embora ele esteja à minha frente, lembro-me do quão frágil aquela lembrança é, e de como posso perdê-lo de um segundo para o outro, mais uma vez.
- Pai - digo, olhando em seus olhos. Nesse momento as lágrimas começam a correr, desesperadas. Eu fito o seu rosto tão querido, alvo de meus muitos beijos, e seus lábios cujas palavras mais doces que já ouvi eram direcionadas a mim.
- Diga, filha moça do pai.
- É tão bom te ter aqui.
E então eu choro, choro sem hesitar, sem pensar, sem motivos aparentes. Refugio-me em seu peito como se quisesse ser absolvida por ele, numa patética tentativa de impedir que o arrancassem de mim novamente.
- Eu sempre vou estar aqui, filha - ele diz. - Você sabe.
- Não, pai. Por favor. Fica comigo. Estou tendo pesadelos e não tenho você para me acalmar.
- Filha...
- Pai, por favor - digo, em soluços, as lágrimas encharcando sua camiseta. - Por favor, eu te imploro, não me deixa sozinha aqui.
- Eu não vou deixar, filha - diz ele, com aquela voz que eu daria tudo para ouvir novamente. - Está tudo bem, eu estou aqui.
E então eu acordei, com os latidos dos filhotes e uma luz entrando pela fresta da janela. E, pela primeira vez em todas que tive esse tipo de sonho com meu pai, eu acordei chorando. Mas não foi aquele choro leve que seguramos em público; e sim aquele choro desesperado, de quem não acredita que o pesadelo que tanto temia no sonho bom, era na verdade a vida real.
E aí a gente lembra que aquilo tudo foi apenas um sonho criado pelo seu subconsciente, e não, não podemos fazer nada para mudar isso. E, em um surto de tristeza, passo pelo menos grande parte da manhã encharcando o travesseiro e abraçando-o, com as lembranças e os sonhos sendo tudo o que possuía naquele momento.

14 Comentários

  1. Vi somente metade desse filme, não consegui terminar e depois nunca mais tentei, mas ele é muito bom. Esse texto é sobre seu sonho? Por que nossa :(.
    Beijos
    Dezesseis de Volta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é muito bom mesmo, Dani! O texto é sobre o sonho, sim. Obrigada ♥ um beijo!

      Excluir
  2. Ual, você me fez chorar com esse último texto. É do filme ou sobre seu sonho? E não, nunca assisti esse filme. Vou procurar, ele parece ser tão lindo...

    Beijos, Li.
    eililian.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que amor ♥ é sonho o sonho mesmo. Assiste sim, é muito bom!
      Um beijo!

      Excluir
  3. Great blog and post.
    Follow for you! Can you follow me, too?


    xoxo ♥
    www.laura-ss.blogspot.com CLICK

    ResponderExcluir
  4. Ah, quanto amor! Amei ='D <3
    Quero assistir!

    http://www.quasedezesseis.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é realmente muito bom, assiste sim, moça ♥

      Excluir
  5. Você me deixou com vontade de assistir :')
    Dá uma visitinha: http://ummundodoseujeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Adorei, vou até procurar sobre o filme e assisti-lo. Sempre acontece isso comigo também, de acordar no meio do sonho e tentar voltar a dormir e sonhar com a mesma coisa de novo, é muito ruim quando isso acontece </3 hahah

    http://sublimecapital.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assiste sim, vale a pena!! É horrível, né? Principalmente quando sonhamos algo impossível :( hahah um beijo! ♥

      Excluir
  7. Ainda não assisti a esse filme, mas tenho muita vontade de ver. E fiquei emocionada com seu sonho, às vezes as dores da vida real são tão grandes que o melhor seria continuar dentro dos nossos próprios sonhos e ser acolhida por eles.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Lena! O quanto, em alguns sonhos, eu queria não acordar mais! Fico feliz que tenha gostado <3 beijo

      Excluir