Acho que uma pergunta que todo ser humano,
independente de qualquer coisa,
deveria fazer a si mesmo é:
o que é realmente importante para mim?
Já me preocupei com tanta coisa inútil
tipo o que aconteceria no dia seguinte
ou o que as pessoas pensavam sobre mim
e hoje eu vejo que não era isso o que faria sentido no final.
Tá vendo essas pessoas da foto?
Meu pai e eu.
Simplesmente a melhor relação de pai e filha que já vi
e digo isso sinceramente e com testemunhas,
que meu pai e eu éramos a dupla perfeita
embora não estivéssemos perto.
Morávamos em cidades diferentes há três anos
e quase nunca nos víamos
mas quando eu ouvia a voz dele em casa,
ou o assovio,
eu literalmente pulava em seu pescoço
e nós passávamos a maior parte do tempo juntos.
O que realmente importa para você?
Será que não é a fama,
o dinheiro,
o status,
o prazer?
Existe aquele velho ditado que diz
que só damos valor nas pessoas quando as perdemos.
Fico feliz em dizer que sempre dei valor no meu pai
ele sempre foi uma das pessoas que eu mais amo, senão a primeira.
Mas ainda que eu não me arrependa nesse quesito,
eu poderia ter telefonado mais,
mandado mais mensagens de boa noite,
ter dito mais vezes o quanto o amo,
poderia ter sacrificado alguns compromissos pra ir visitá-lo,
e não ter me magoado tantas vezes por bobeira.
Escrevo isso hoje para te perguntar
afinal, o que realmente importa?
Quais serão aquelas coisas que talvez,
só talvez,
te farão chorar num dia triste
quando se ver sem a oportunidade de fazê-las?
Chega um dia em que enfrentamos nossos pesadelos
não sei quais são os seus,
mas os meus sempre foram sobre perder minha família
e há uns dias atrás eu me vi dentro de um carro,
enrolada num cobertor
indo para o velório do homem que mais amo na vida.
Então, por favor,
não deixe pra amanhã
vá para a cozinha, e não ligue se sua mãe está cheirando a cloro,
ou se seu pai está alcoolizado,
mas não hesite em dar um abraço
dizer mais uma vez que os ama
independente se você diga isso com frequência
eu também dizia,
mas diga mais uma vez,
e mais outra e outra,
porque talvez um dia seja tarde demais para poder tentar,
e aí só vai restar
o que realmente importa.

Deixe um comentário