Ela estava sentada no canto do refeitório, com o Youcat aberto lá pela página cento e tantos. Suas amigas faltaram no colégio, deixando-a sozinha. Na sala de aula, o professor pediu uma pausa para que ela terminasse de rezar o terço que estava apenas em cima da carteira, rindo-se da menina. Toda a sala zombou, riu, bateu nas carteiras. A menina continuou em silêncio, fitando a carteira e agradecendo o auto-controle vindo do alto.
Quando ele a vê, espremidinha no banco, com o terço pendurado no braço e um laço vermelho nos longos cabelos castanhos; não acredita. Deixa seus amigos falando sozinhos e caminha um pouco mais para perto, forçando os olhos míopes para enxergá-la melhor.
Eles eram diferentes de todo o resto, embora não tão parecidos um com o outro. Ele costumava ser brincalhão, enquanto ela era a garota quieta que quase ninguém conhecia a voz. Tocava teclado no seu grupo de oração e em algumas missas; já ele preferia evangelizar com palavras e com seu riso.
Histórias tão diferentes se cruzaram quando o menino sentou ao seu lado e elogiou a cor verde-água de seu terço. A menina desconfiou, achando que ele estava apenas de zoação. Mas não estava.
- Nunca vi nessa cor para comprar.
- Veio do Vaticano.
- Entendi.
E, ao passar das semanas, era comum que ele sentasse ao seu lado no intervalo sempre com a mesma desculpa: elogiar a cor do terço. Mesmo quando a menina o esqueceu no ponto de ônibus, ele continuou elogiando a cor que o terço costumava ter. E ela foi parando de desconfiar de que ele estava apenas querendo zombar de sua retidão e começou a trocar algumas palavras, que aos poucos viraram muitas, e depois se prolongaram para depois dos intervalos, para as tardes, para as noites, para os encontros e para o fim das missas que assistiam juntos.
Ninguém entendia o que havia acontecido. De repente, a menina quieta que nunca dava bola para meninos sem vergonha, apareceu de mãos dadas com o menino do crucifixo de madeira, que também nunca dera bola para as meninas atiradinhas. E as pessoas foram vendo que a santidade que exalava de cada um fazia com que fossem sempre tão calmos, doces e perfeitos. Ele amava a paixão com que ela tocava, e ela amava a forma com que ele a fazia rir.

4 Comentários

  1. Boatos com fundo,intermediário e superficia deq eu sonho com alguém assim pra mim

    ~ Fifa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a maioria dos meninos da Igreja sonham, muito belezinha haha

      Excluir
  2. Tentando imaginar se é verídica kkkkkkkkkkkk
    lindo e verdadeiro o texto!

    Beijos!

    Isabella | http://isabellalessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é verídica, não ahsuhausha
      beijoss ♥

      Excluir