Esses dias eu precisava lavar o banheiro. Todo dia minha mãe chegava, reclamava e eu dizia que iria ''lavar amanhã''. Eu todo dia acordava e pensava nas minhas tarefas, nas coisas que devia fazer e entre elas eu colocava lavar o banheiro. Fazia tudo e no final do dia dizia que ''não deu tempo''. Um amigo me disse esses dias que: ''Desculpas sempre serão desculpas. Podem ser boas desculpas, mas ainda assim serão desculpas''. Não dava tempo de lavar porque eu tinha outras coisas pra fazer: ok, mas ainda é uma desculpa. Não dava tempo porque tinha outras prioridades: ok, mas ainda é uma desculpa. Até que um dia eu decidi antes de fazer as outras coisas lavar o bendito banheiro.

Sou tão metódica que tenho até vontade sair dos meus parâmetros, mas eu mesclo minha ''metodicidade'' com minha procrastinação e pra falar a verdade: eu não sei o que é pior. Tudo pra mim tem que começar em tal hora, de tal maneira e isso se alia de forma terrível com minha mania de procrastinar. Os meus métodos se tornam desculpas para eu não fazer nada. E isso vai além de um afazer doméstico.
Quando fui chamada a uma vida consagrada eu procrastinei com meus métodos. Eu não queria sair da minha zona de conforto e dizia que ''não era a hora certa'' ou ''talvez devesse esperar mais um ano''. O fato é: metódicos tendem a ser ótimos procrastinadores. Queremos tudo na hora certa, mesmo que ela seja um hora certa atrasada. Ainda bem que Deus é Kairós e não Chronos, porque pra Ele não tem essa de hora humana certa. Cedo ou tarde pra mim é o momento certo pra Ele.
Eu precisava de algo que me forçasse a sair dos meus modos e Deus insere em mim este sair de si, porque Ele sempre vai nos colocar algo que seja oposto daquilo que estamos acostumados a viver. Eu quero fazer, mas por mim mesma não posso. Então vem o chamado de Deus para nos dizer que não somos nós quem fazemos, mas o Próprio Deus.
O que devemos nos acostumar a fazer é pedir a Deus que não façamos. Isso mesmo: eu não faço, mas Tu, age em mim e faz. Que eu não saiba nem entenda, mas o Espírito Santo sim. O segredo é começar agir onde não queremos, onde evitamos, porque assim iremos parar com o ''faço depois'' e já estará feito, sem desculpas.
Muito além de procrastinar a vida, devemos parar de procrastinar o céu. A Marcela Taís esses dias lançou o clipe da música ''Vai passar rápido''. Julguei de início: ''Tem que passar rápido mesmo. Eu quero é o céu''. Mas aí ela fala:
Deixe-me contar um segredo
Não foi pra esta vida que fomos feitos
Não podemos nos completar aqui
Pois, dentro de nós, há uma alma pulsando sem fim

Tudo aqui passa rápido mesmo e é por isso que devo cuidar daquilo que vale a pena. As raivas, as frustrações, os medos vão passar e devemos dar valor ao que no céu não passa. Para alcançar o céu é preciso de uma vida com propósitos. Propósitos além do ''vou passar o mês sem dinheiro'', ''não vou ligar hoje, só amanhã'', ''quando chegar sexta-feira...''
E você, santo metódico procrastinador, qual seu propósito?
Até mais! (não tardando tanto assim)

Recentemente alguns assuntos polêmicos tem sido muito abordados pela mídia. A série "13 reasons why" e o jogo da baleia azul levantaram importantes questões sobre suicídio, problemas psicológicos, bullying e entre tantos outros assuntos que muitas vezes ignoramos por não sabermos lidar com as pessoas que são submetidas a isso ou com as situações que envolvem essas dificuldades seríssimas. Faz um tempo que eu gostaria de tratar sobre esses temas, pois tenho aprendido muito com pessoas do meu convívio social. Pensando nisso, escrevi 13 maneiras de ajudar pessoas com transtornos psicológicos. É claro que este texto não foi escrito com um teor profissional, pois não sou médica, mas sim com a intenção de partilhar algo que a vida me ensinou. Sem mais delongas, vamos as dicas!

Dica 1: Pessoas que tem depressão tendem a ser mais intensas, mas isso não quer dizer que tudo o que elas falam equivale a um drama. Nós não iríamos gostar se alguém nos visse mal por algum problema e falasse que aquilo é apenas frescura, certo? Então não devemos menosprezar os sentimentos de quem está com o psicológico abalado também, pois isso pode fazer com que a pessoa não consiga mais se abrir com ninguém por medo. Pode até soar dramático às vezes quando lemos ou ouvimos aquilo que a pessoa falou, e pode realmente até ser um pouco exagerado, mas quem nos garante que aquilo não é a verdade da pessoa naquele momento?
Dica 2: Depressão faz com que as pessoas se sintam absurdamente sozinhas e isso não quer dizer que aquela pessoa não valoriza mais a amizade que ela tem com você. Quer dizer que ela não se sente boa o suficiente para ser sua amiga muitas vezes. Então a tendência é que quem tem depressão se afaste e se isole. Não porque ela não quer mais se relacionar com ninguém, mas por não saber lidar com aquilo que ela está sentindo naquele momento, por ter medo de se expressar e de ser julgada. É necessário que mantenhamos um equilíbrio: não precisamos "ficar em cima" da pessoa, pois não adianta coloca-la no centro das atenções e a encher de mimos se não for sincero. As vezes o mínimo é muito para quem tem depressão. Nós não sabemos o quanto um "Como você está?" ou um "Estou com saudades, porque não saímos pra dar uma volta?" pode fazer diferença na vida daquela pessoa.
Dica 3: Inclusive, se a pessoa que está com depressão não está conseguindo acompanhar o grupo de amigos, porque vocês não vão até ela para fazer uma visita? Pode ser um gesto simples, mas pra quem está se sentindo sem importância pra ninguém, vai fazer total diferença. As vezes é só isso que alguém com depressão precisa: se sentir amado na simplicidade.
Dica 4: Tente evitar algumas frases e assuntos inconvenientes como "Relaxa", "Pare de se preocupar", "Você está exagerando, isso é muito dramático", "Você precisa querer melhorar". Tente evitar também ficar falando de Deus toda hora ou tentar dar sermões utilizando (ou não) de Deus. Quando for falar com um depressivo, as coisas de Deus precisam vir naturalmente, pois aquela pessoa está se sentindo indigna de ser amada, lembra? Isso afeta o seu relacionamento com Deus também, se ela já se sente mal por achar que não consegue ser melhor para as pessoas, imagina então com o Senhor. E as outras frases, substitua por um simples "Vai ficar tudo bem". Para quem é ansioso, algumas frases vão fazer com que se fique mais nervoso do que "relaxado".
Dica 5: Não espere as crises virem para conversar com a pessoa com transtorno psicológico. Quando essa pessoa for lembrada em momentos inesperados, isso vai fazer com que ela se sinta melhor e especial.
Dica 6: E se as crises vierem, tenha calma e paciência para ajudar a pessoa a lidar com isso. O pânico é algo muito comum para pessoas com problemas psicológicos, então o melhor a se fazer é ajuda-la a se acalmar e cuidar para que nada a faça se sentir envergonhada por conta da crise. Esteja perto da pessoa, principalmente quando ela sentir vontade de morrer ou de suicidar. Não duvide de que ela realmente possa acabar realizando este feito, afinal, ela está com o emocional fragilizado e por isso pode por fim tomar decisões imprudentes ou que irão feri-la de alguma maneira.
Dica 7: Quem possui algum tipo de transtorno psicológico sente como se estivesse vendo outra pessoa fazer coisas no lugar dela... Coisas que ela não faria normalmente. Então talvez você possa sair magoado de alguma conversa com o depressivo. Tente relevar e conversar sobre aquilo em um outro momento. Não jogue o estado emocional ou a culpa pela magoa em cima da pessoa. Ela já se sente um ser humano terrível, mesmo sem receber mais essa carga.
Dica 8: Por mais que pessoas com transtornos psicológicos tenham muitas dificuldades, elas não estão mortas. Ou seja, não as trate como pessoas que são "doentes". Mas compartilhe também os seus problemas com ela, peça conselhos e etc. A pessoa está com depressão, não é a sua depressão. Isso quer dizer que ela continua sendo sua amiga e vai querer te ajudar da mesma forma que ajudava antes de descobrir o transtorno. Quanto mais útil ela se sentir, melhor ela vai ficar emocionalmente.
Dica 9: Pessoas com transtornos psicológicos tendem a pensar muito sobre tudo, a se magoar facilmente e a guardar todos os seus sentimentos para si. Tente estimular a pessoa a se abrir, pois acaba fazendo mal guardar tantos pensamentos (muitas vezes ruins) e não compartilha-los com ninguém. Tenha paciência para escutar a pessoa, pois talvez ela não consiga se abrir na hora e nem falar tudo de uma vez. E se a pessoa não quiser falar o que está sentindo, mostre que está disposto a ouvi-la se necessário e de que estará ali para fazer companhia. Na verdade, só ficar ali do lado da pessoa muitas vezes é o suficiente.
Dica 10: Tente evitar utilizar de exemplos como "Tenho um parente que também tem depressão, mas a dele é muito pior que a sua". Isso não é uma competição pra ver quem está se sentindo pior. É claro que existem graus dos transtornos psicológicos, mas isso não significa que podemos comparar as dores de ninguém. Muito pelo contrário, ao dizer que "fulano sofre mais do que ciclano" você esta diminuindo uma pessoa, o que fará com que ela se sinta mais desprezada do que já se sente.
Dica 11: Resumindo, para você que esta acompanhando alguém com alguma dessas características, o melhor conselho é: ame verdadeiramente esta pessoa. Não por um dia, uma semana ou um mês, mas mostre que realmente ama tanto aquela pessoa que irá aguentar aquela situação difícil com ela. Jesus pediu para nós amarmos uns aos outros assim como Ele nos ama. E Ele continua nos amando mesmo quando O abandonamos. Ame profundamente esta pessoa e todas as que precisarem do seu amor, elas tendo problemas psicológicos ou não!
Dica 12: E para você que esta sofrendo de algum dos problemas citados nesse texto ou que se identificou alguma situação aqui descrita, deixo dois conselhos: em primeiro lugar, procure assistência médica e não faça um diagnóstico de si mesmo sem a ajuda de um profissional qualificado pra isso. As vezes nós podemos acreditar que estamos de fato com um transtorno, mas na verdade estamos passando apenas por uma fase ruim. Independente do que esteja realmente acontecendo com você, o psicologo ou psiquiatra irá te ajudar a entender essa confusão toda de sentimentos guardados no seu interior. É perfeitamente normal pedir um auxilio profissional, não acredite quando disserem que só "loucos" recebem essa ajuda especializada. E em segundo lugar, busque se abrir com pelo menos um amigo de confiança. Lembre-se de que você não esta sozinho, existem pessoas que se importam com você. E mais do que isso, Deus te ama muito! Por isso, não desista assim da sua vida. Ao contrário do que as pessoas e situações da vida podem fazer você pensar, você tem jeito sim!
Dica 13: Chegamos a última consideração. Essa é mais uma nota (e uma opinião) do que uma dica. As pessoas tem falado muito da série "13 reasons why" e eu queria fazer um comentário sobre. Particularmente eu acho a série muito boa porque ela cumpre o seu objetivo, que é impactar as pessoas com assuntos que são jogados "para debaixo do tapete" hoje em dia. Assuntos como suicídio, depressão, abuso sexual, entre outros não são tratados abertamente, nem são dadas muitas orientações sobre. Eu concordo que a série deixa muitos gatilhos para as pessoas tirarem sua própria vida e isso poderia ter sido resolvido com algumas orientações extra, sobre como combater os males expostos ao longo da história. Então se você é uma pessoa emocionalmente abalada por alguma dessas questões, talvez seja melhor não assistir a série. Porém, eu acho que o que levaria uma pessoa a se matar não seria assistir à "13 reasons why". O que leva as pessoas a desistirem da própria vida muitas vezes é a nossa indiferença. Muitas vezes nós lidamos com Hannahs, Alexs, Justins e tantos outros em nosso dia a dia e não damos conta ou sequer ligamos. E é isso que destrói as pessoas: a falta de amor. Que nós possamos tomar essas situações como exemplo do que não fazer com nosso próximo. Eu espero de todo o meu coração que essas dicas tenham ajudado de alguma maneira você, meu querido leitor.

(Ana Beatriz para 48janeiros)

Está tudo normal até que repentinamente uma tempestade chega. Os fortes ventos e tremores derrubam os prédios que formam essa complexa cidade que é você. As gotas de chuva rapidamente enchem as ruas, transbordam e te afogam. Você tenta se segurar em algo, mas nada parece firme o suficiente e você sempre acaba caindo novamente. Os raios te fazem se encolher de medo, chorar e clamar por ajuda. Nada parece preencher esse enorme vazio que toma conta do seu peito e lhe faz não conseguir respirar. Se pergunta o porquê de tudo aquilo. Por que aquela cômoda vida não volta? E tão repentinamente como começou, a tempestade cessa. Em meio às nuvens, um raio de sol ilumina a sua face. É o momento em que percebe que tudo aquilo tinha um sentido. É o momento em que percebe que não está sozinho. É o momento em que encontra o Messias prometido aos patriarcas e profetas.
Uma mão te segura firme e aos poucos você consegue se levantar. Mas algo de errado acontece. Você permite que o pecado prevaleça e a ruína retorna. Não porque Ele te abandonou, mas porque você o abandonou. E a enorme cumulus nimbus volta a pairar pela pequena cidade. Se sente abandonado, perdido, derrotado, devastado, dilacerado. Sente como se sua alma estivesse rasgada em diversos pedaços. Grita por ajuda e é ouvido, guiado, entendido, ajudado. Mas a dor não acaba e isso intriga a sua mente. Por que, mesmo com Deus ao seu lado, a tempestade nunca acaba?
Há períodos em que sua intensidade aumenta e outros em que ela diminui. Porém mesmo quando parece que tudo vai desabar, Ele ainda está ao seu lado. Você consegue encontra-Lo na dor. Percebe que é preciso ser quebrado para ser reconstruído. Ele está ali por você, sempre esteve. A dor nos santifica, nos faz mais fortes. A cruz nos redimiu e é por ela que teremos vida eterna. O vazio é a necessidade de Deus, a alma clama pelo Criador. Quanto mais necessita de amor, mais percebe o quanto Ele te ama. É preciso a tempestade para ver o valor dos raios de sol.

(Flavia Gabriela para 48janeiros)